A retina é a parte interna do olho extremamente importante para a formação da imagem. A retina é formada por células nervosas que reveste o interior do olho e transmite ao cérebro os estímulos luminosos.

Descolamento de retina: Desprendimento da retina da parte interna do globo ocular. Resulta em perda da visão periférica ou central, dependendo do local do descolamento. Os sintomas são turvação da VISÃO, como se existisse um véu diante da vista, ou embaçamento em algum ponto do CAMPO VISUAL. Flashes de luz, como relâmpagos também são motivos de suspeita e o medico deve ser consultado imediatamente. O tratamento é na maioria das vezes cirúrgico e deve ser feito imediatamente. O sucesso da cirurgia está diretamente relacionado com o tempo de tratamento. O objetivo da cirurgia é fixar a retina em seu lugar original.

 Degeneração Macular: A degeneração Macular Relacionada a Idade (DMRI) é uma doença que afeta idosos e está ligada ao desgaste da retina, mais especificamente da região central retiniana, que se chama mácula.

Está é a patologia ocular que mais afeta a população idosa e é uma importante causadora de perda visual irreversível quando não tratada adequadamente. Os principais sintomas são representados pela perda da visão de longe e perto de forma progressiva.

A DMRI tem forte componente genético, portanto é importante os familiares de pacientes com DMRI fazerem exames periódicos e tomarem medidas preventivas (hábitos de vida saudável, alimentação, uso de óculos de sol com proteção UV).

O tratamento mais eficiente atualmente é a aplicação de uma medicação intra ocular (injeção) que evita o aumento da lesão e muitas vezes permite sua redução, melhorando a visão do paciente.

 Retinopatia diabética: são alterações nos vasos sanguíneos da retina de pacientes com diabetes mellitus que podem resultar em sangramento, descolamento da retina e perda da visão progressiva. Orientamos todos pacientes com diabetes a consultar seu oftalmologista a cada 6 meses. O ideal é fazer tratamentos preventivos com aplicação de laser de argônio quando necessário para prevenir futuras lesões.

 Retinopatia hipertensiva: são alterações nos vasos sanguíneos da retina de pacientes com hipertensão arterial que podem resultar em sangramento, descolamento da retina e perda da visão progressiva. Orientamos todos pacientes com hipertensão arterial a consultar seu oftalmologista a cada 6 meses. O ideal é fazer tratamentos preventivos com aplicação de laser de argônio quando necessário para prevenir futuras lesões.

Qualquer tipo de alteração na retina pode indicar risco de perda parcial ou total da visão, dependendo da região afetada. Isto porque a retina é a parte do olho onde estão as células que têm como função transmitir para o cérebro os estímulos luminosos para serem transformados em estímulos visuais. Os exames avaliam, principalmente, a região da retina chamada mácula, que possui a fóvea na zona central, onde há concentração dessas células.

Para examinar a retina, o paciente precisa realizar a dilatação da pupila previamente. Dos principais exames o fundo do olho é o mais simples, porém muito limitado pois avalia somente o terço posterior da retina.

O Mapeamento da Retina avalia toda a retina até sua periferia. A Retinografia é um exame mais completo, pois avalia e documenta toda a retina através de fotografias digitais. A Angiofluoresceinografia, através de injeção de contraste endovenoso, estuda e documenta por fotografia digital dinâmica toda a circulação retiniana.

Um dos exames mais modernos para avaliação das diversas doenças retinianas é a Tomografia de Coerência Óptica (OCT) que permite o estudo detalhado de todas as camadas da retina.A percepção de manchas no campo de visão ou baixa súbita da visão são sintomas que podem indicar uma doença da retina e devem ser prontamente avaliados por um oftalmologista.

  • Retinopatia diabética
  •  Degeneração Macular Relacionada à Idade – DMRI
  • Retinopatia hipertensiva
  • Retinopatia miópica
  • Descolamento de Retina
  • Infecções (toxoplasmose, rubéola)
  • Tumores intra-oculares

Medidas de prevenção são importantes através visitas frequentes ao oftalmologista e os tratamentos propostos vão desde a fotocoagulação a laser, injeções intra-vítreas, vitrectomia até cirurgias retinianas, dependendo dos sintomas e do diagnóstico da doença retiniana.